- Internacional, Notícias, Opinião

O craque fora de posição, o conformismo de Abel e a insistência no 4-5-1

O estilo de jogo

Desde que chegou ao Inter, mais de 8 meses atrás, Abel conseguiu implementar o seu estilo de jogo. Um estilo de jogo lento, frágil defensivamente, ineficaz ofensivamente e com uma saída de bola burocrática. O time se acomoda à marcação adversária e se mostra cada vez mais incapaz de trocar passes no campo de ataque. O Inter não se impõe nem jogando em casa contra adversários do nível de Bahia ou Ceará. No final de tudo, a minha pergunta é: Até quando os dirigentes do Inter irão tolerar isso?

A “setorização” da equipe

Pelo que podemos perceber assistindo aos jogos, a impressão é que os setores da equipe de Abel Braga (defesa, meio e ataque) estão muito bem definidos (de uma maneira ruim), o que torna o time descompactado e dificulta a transição da bola. O ideal é que esse setores estejam entrelaçados entre si, para que as jogadas fluam com mais naturalidade rumo à meta adversária.

O craque fora de posição

O treinador do Inter possui um volante de nível técnico internacional, que inclusive foi um dos destaques da Copa do Mundo jogando pela seleção chilena, mas prefere o escalar fora de posição, como meia armador. O motivo? Achar uma brecha no time para Ygor, um de seus jogadores preferidos do elenco.

Na foto, treinador Abel Braga aparece desolado
Na foto, treinador Abel Braga aparece desolado

O conformismo

Quando o time está perdendo, sobre tudo em casa e para um time de inferior nível técnico, o que se espera é que o treinador se utilize de todas as suas armas para tentar reverter a situação, correto? Pois este não parece ser o caso de Abel Braga, que mesmo com o resultado adverso, optou por não utilizar as 3 substituições que lhe são permitidas.

A insistência no 4-5-1

Abel Braga vem tentando, desde o começo do ano, implementar em sua equipe o tal “esquema da moda”, mesmo que essa formação não se adeque as características de seus jogadores. Mas por que insistir tanto em uma formação que já se demonstrou tantas vezes inviável? Até mesmo Rafael Moura e Wellington Paulista já reclamaram por jogarem isolados, mas Abel Braga finge não enxergar os seus próprios erros e continua em sua insistência sem fim. Com esta formação, foi eliminado da Copa do Brasil para um time da Série B e está muito perto de ser eliminado da Sul-Americana por um time da zona de rebaixamento. Na minha visão, só pode ser mais um caso da teimosia crônica de Abel.

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.